Entre em contato 99386-9615
Avançado
Procurar
  1. Home
  2. Gestantes e crianças também podem ter hanseníase
Gestantes e crianças também podem ter hanseníase

Gestantes e crianças também podem ter hanseníase

  • 30 de January de 2020
  • 0 Likes
  • 85 Views
  • 0 Comentários


Sabe aquela mancha branca ou mais avermelhada que você tem na pele e que, ao tocá-la, não sente nada? Fique atento, pode ser hanseníase. A doença não escolhe sexo e nem idade, atingindo também crianças e grávidas. Ao ser diagnosticado com a doença, toda e qualquer pessoa deve iniciar imediatamente o tratamento, disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Assim que toma a primeira dose da medicação, o risco de a pessoa infectada transmitir a doença é praticamente nulo.

A hanseníase é uma doença dermatoneurológica, que tem manifestação na pele, como a presença de manchas, aumento de tamanho e alteração de sensibilidade. A parte neurológica vem do comprometimento dos nervos periféricos, responsáveis pela sensibilidade e motricidade. Por isso, a hanseníase é a única doença dermatológica que tem alteração de sensibilidade na pele.

A doença pode atingir homens e mulheres em qualquer idade, sendo mais grave quando atinge pessoas com menos de 15 anos. Em crianças, o diagnóstico da hanseníase exige avaliação mais criteriosa, diante da dificuldade de aplicação e interpretação dos testes de sensibilidade. Em criança esses casos, podem sinalizar transmissão ativa da doença, especialmente entre os familiares, o que deve, portanto, intensificar a investigação dos contatos pelos profissionais de saúde.

A forma de prevenção é ter um diagnóstico precoce. Também, não há vacinas para evitar a hanseníase.  A prevenção consiste no diagnóstico o mais rápido possível, e tratar para que as pessoas evitem a transmissão, bem como examinar todos os contatos, especialmente os domiciliares. A transmissão da doença deixa de ocorrer no início do tratamento. 

Hanseníase na Gravidez

Já entre as mulheres, durante o período gestacional, a imunidade cai, deixando a mãe mais predisposta a apresentar os sintomas da doença. Uma mulher que tem hanseníase, mesmo que em tratamento, pode enfrentar problemas na gestação, com o agravamento da doença. Além disso, o bebê corre o risco de nascer prematuro e com baixo peso, além de poder apresentar sequelas. A mãe também pode sofrer algumas ocorrências indesejadas, como a pré-eclâmpsia e anemia.

PLANEJAMENTO: O recomendado é que a mulher evite engravidar no período em que está fazendo o tratamento e planeje o bebê para depois que estiver definitivamente curada. Mas, caso a mulher engravide estando infectada, ela deve procurar o serviço médico para que o tratamento seja iniciado.

TRATAMENTO: Caso a mãe já esteja fazendo o tratamento, ele não deve ser interrompido. No período da gestação, a mulher infectada, além de ter o acompanhamento de um obstetra, deve ter o apoio de um dermatologista. O acompanhamento de uma gestante com hanseníase deve ser muito maior que o realizado em uma mulher que não apresente a enfermidade.

AMAMENTAÇÃO: As mulheres que estiverem amamentando seus filhos não devem parar de tomar a medicação. Nem a gravidez e nem o aleitamento contraindicam o tratamento padrão para a doença. Os remédios podem estar presentes no leite materno, mas não causam nenhum problema para a criança.

Onde buscar tratamento em Manaus:

A população conta agora com o ipok, um aplicativo inovador de Saúde, cujo objetivo é facilitar o dia a dia de usuários que precisam agendar uma consulta médica de forma prática, ágil e segura. Além, de avaliar o atendimento de um profissional de saúde, efetuar buscas por profissionais especializados é possível acompanhar notícias atualizadas da área de saúde. No app você pode agendar consultas com dermatologistas em Manaus, entre outras especialidades. 

Atenção: A informação descrita acima, serve apenas como apoio e não, substitui em hipótese alguma, a consulta médica com um profissional especializado. Para um diagnóstico preciso, procure uma avaliação médica de sua preferência ou no serviço público de saúde.


FONTE: Ministério da Saúde

  • Compartilhar:

Deixe o seu comentário