Entre em contato 99386-9615
Avançado
Procurar
  1. Home
  2. Coronavírus: Saiba quais especialidades estão atuando no combate ao Covid-19
Coronavírus: Saiba quais especialidades estão atuando no combate ao Covid-19

Coronavírus: Saiba quais especialidades estão atuando no combate ao Covid-19

  • 20 de March de 2020
  • 1 Like
  • 164 Views
  • 0 Comentários

Os profissionais de saúde têm trabalhado arduamente no combate ao novo coronavírus. Especialidades médicas como infectologistas, pneumologistas, clínico geral, anestesistas, medicina laboratorial, medicina intensiva, cardiologistas, otorrinolaringologista, pediatras, entre outros que estão lutando no dia a dia com essa epidemia e se arriscando todos os dias.

Mas também, não podemos deixar de fora, os enfermeiros ou auxiliares de enfermagem, equipe administrativa pela empatia, os seguranças, manobristas, equipe de limpeza, cozinheiros todos estão juntos nesta luta trabalhando incansavelmente, muitas vezes – 24/7 – para tentar conter o avanço da doença em solo brasileiro. Sem contar que a grande maioria desses profissionais estão sujeitos a contrair a doença. Todo esse esforço por amor a profissão e ao bem estar da sociedade em geral. 

Os profissionais de saúde não vem medindo esforços, muitos inclusive, estão sem contato com a família há dias, em virtude da demanda causada pelo novo coronavírus aos hospitais em todo o país, principalmente nos estados com maiores casos da Covid-19. 

Para tentar desafogar essa demanda aos hospitais públicos e privados, o Conselho Federal de Medicina (CFM) autorizou, nesta quinta-feira (19), a prática da telemedicina durante a pandemia de coronavírus em todo o país. 

Segundo o CFM, a telemedicina pode ser utilizada nas seguintes formas:

  • Teleorientação: onde profissionais realizam à distância a orientação e o encaminhamento de pacientes em isolamento;
  • Telemonitoramento: monitoramento ou vigência à distância de parâmetros de saúde e/ou doença;
  • Teleinteterconsulta: troca de informações e opiniões entre médicos, para auxílio de diagnóstico ou terapêutico.

O CFM já havia recomendado suspender o atendimento ambulatorial, de modo a não ter aglomerações desnecessárias em centros médicos e consultórios. Além disso, outras recomendações que também foi apoiada por sociedade foi a de adiar cirurgias eletivas, deixando para realizar apenas as de urgência e emergência, ou cirurgias oncológicas necessárias.

Outra recomendação do conselho é que os gestores criem Serviços de Saúde do Trabalhador nos hospitais, para auxiliar os profissionais que estão na linha de frente, dando todo suporte e proteção necessários, lembrando sempre de oferecer:

Horários de descanso

Serviços que facilitem a vida dos profissionais, como alimentação, roupas de trabalho, salas de repouso, instalações com chuveiros e facilidades para a higienização corporal ao entrar e ao sair dos plantões;

Materiais necessários à proteção individual, como máscaras, luvas, aventais, óculos;

Materiais de proteção especial para procedimentos invasivos, como máscaras N95 e filtros de ar.

Uso de EPIs para atendimento ao novo Coronavírus

O Ministério da Saúde publicou recentemente o Protocolo de Tratamento do Novo Coronavírus, que, entre os conteúdos, aborda o uso correto desses equipamentos e as ocasiões em que eles devem ser utilizados pelos profissionais da saúde.

Orientações sobre Equipamentos de Proteção Individual (EPI):

Máscara cirúrgica

Deve ser utilizada para evitar a contaminação da boca e nariz do profissional por gotículas respiratórias, quando o mesmo atuar a uma distância inferior a 1 (um) metro do paciente suspeito ou confirmado de infecção pelo novo Coronavírus:

Coloque a máscara cuidadosamente para cobrir a boca e o nariz e amarre com segurança para minimizar os espaços entre a face e a máscara;

Enquanto estiver em uso, evite tocar na máscara;

Remova a máscara usando a técnica apropriada (ou seja, não toque na frente, mas remova sempre por trás);

Após a remoção ou sempre que tocar inadvertidamente em uma máscara usada, deve-se realizar a higiene das mãos;

Substitua as máscaras usadas por uma nova máscara limpa e seca assim que esta tornar-se úmida;

Não reutilize máscaras descartáveis.

 Observação: máscaras de tecido não são recomendadas, sob qualquer circunstância.

Máscara de Proteção Respiratória

Quando o profissional atuar em procedimentos com risco de geração de aerossol nos pacientes com infecção suspeita ou confirmada pela COVID-19, ele deve utilizar a máscara de proteção respiratória (respirador particulado) com eficácia mínima na filtração de 95% de partículas de até 0,3 (tipo N95, N99, N100, PFF2 ou PFF3), sempre que realizar procedimentos geradores de aerossóis, como, por exemplo, intubação ou aspiração traqueal, ventilação não invasiva, ressuscitação cardiopulmonar, ventilação manual antes da intubação, indução de escarro, coletas de amostras nasotraqueais e broncoscopias.

A máscara deverá estar apropriadamente ajustada à face e nunca deve ser compartilhada entre profissionais. A forma de uso, manipulação e armazenamento deve seguir as recomendações do fabricante.

Importante: Para realização de outros procedimentos não geradores de aerossóis, avaliar a disponibilidade da N95 ou equivalente no serviço. Não havendo disponibilidade, é obrigatório o uso da máscara cirúrgica.

Luvas

As luvas de procedimentos não cirúrgicos devem ser utilizadas quando houver risco de contato das mãos do profissional com sangue, fluidos corporais, secreções, excreções, mucosas, pele não íntegra e artigos ou equipamentos contaminados, de forma a reduzir a possibilidade de transmissão para o trabalhador de saúde, assim como de paciente para paciente, por meio das mãos do profissional.

Quando o procedimento a ser realizado no paciente exigir técnica asséptica, devem ser utilizadas luvas estéreis (de procedimento cirúrgico). As recomendações quanto ao uso de luvas por profissionais de saúde são:

  • Troque as luvas sempre que for entrar em contato com outro paciente;
  • Troque também durante o contato com o paciente, se for mudar de um sítio corporal contaminado para outro limpo, ou quando esta estiver danificada;
  • Nunca toque desnecessariamente superfícies e materiais (tais como telefones, maçanetas, portas) quando estiver com luvas;
  • Não lavar ou usar novamente o mesmo par de luvas (as luvas não devem ser reutilizadas);
  • O uso de luvas não substitui a higiene das mãos;
  • Proceder à higiene das mãos imediatamente após a retirada das luvas;

Observe a técnica correta de remoção de luvas para evitar a contaminação das mãos.

Protetor ocular ou protetor de face

Os óculos de proteção ou protetores faciais (que cubram a frente e os lados do rosto) devem ser utilizados quando houver risco de exposição do profissional a respingos de sangue, secreções corporais e excreções. Devem ser de uso exclusivo para cada profissional responsável pela assistência sendo necessária a higiene correta após o uso. Sugere-se para a desinfecção, o uso de hipoclorito de sódio ou outro desinfetante recomendado pelo fabricante do equipamento de proteção.

Capote/avental

O capote ou avental deve ser impermeável e utilizado durante procedimentos onde há risco de respingos de sangue, fluidos corpóreos, secreções e excreções, a fim de evitar a contaminação da pele e roupa do profissional. Deve ser de mangas longas, punho de malha ou elástico e abertura posterior. Além disso, deve ser confeccionado com material de boa qualidade, não alergênico e resistente; proporcionar barreira antimicrobiana efetiva, permitir a execução de atividades com conforto e estar disponível em vários tamanhos. O capote ou avental sujo deve ser removido e descartado após a realização do procedimento e antes de sair do quarto do paciente ou da área de assistência. Após a remoção do capote deve-se imediatamente proceder a higiene das mãos para evitar a transmissão dos vírus para o profissional, pacientes e ambiente.

O Ministério da Saúde prevê ainda:

  • Lavar as mãos com frequência;
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência;
  • Limitar procedimentos indutores de aerossóis;
  • Manter os ambientes limpos e ventilados.

Onde buscar tratamento em Manaus:

A população conta agora com o ipok, um aplicativo inovador de Saúde, cujo objetivo é facilitar o dia a dia de usuários que precisam agendar uma consulta médica de forma prática, ágil e segura. Além, de avaliar o atendimento de um profissional de saúde, efetuar buscas por profissionais especializados é possível acompanhar notícias atualizadas da área de saúde. No app você pode agendar consultas com infectologistas em Manaus, entre outras especialidades. 

Atenção: A informação descrita acima, serve apenas como apoio e não, substitui em hipótese alguma, a consulta médica com um profissional especializado. Para um diagnóstico preciso, procure uma avaliação médica de sua preferência ou em alguma unidade de saúde pública mais próxima da sua região.

FONTE: Conselho Federal de Medicina, Ministério da Saúde

  • Compartilhar:

Deixe o seu comentário