Você fala enquanto dorme? Saiba como identificar esse transtorno do sono


Uma boa noite de sono faz muito bem à saúde, certo? agora, imagine dividir o quarto com quem fala quando dorme! Sem dúvida, tira o sono de qualquer um. Falar durante o sono pode não ser um grande problema para quem está dormindo. No entanto, pode ser um transtorno para quem divide o mesmo espaço durante a noite com quem tem esse problema. Segundo especialistas em sono, esse transtorno é chamado de sonilóquio, ou seja, é um distúrbio do sono que acontece geralmente na infância e, em alguns casos, também durante a fase adulta. 

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o distúrbio do sono afeta 40% dos brasileiros e 45% da população mundial. O Detran relata que 20% dos acidentes de trânsito estão associados a indivíduos que estão sonolentos. Já os dados da Associação Brasileira do Sono demonstram que 60% dos brasileiros dormem menos de 7 horas por noite.

Estes números demonstram a quantidade enorme de pessoas que convivem com a falta de sono ou algum transtorno do sono, que é essencial para manutenção da imunidade, para que o cérebro processe informações, armazene memórias e elabore estratégias diárias para resolução de problemas, apontam especialistas da área.

Gatilhos do sonilóquio

Quase dois terços das pessoas já falaram no sono, segundo o estudo Prevalência de diferentes parassonias na população geral, de 2010. Alguns balbuciam coisas sem sentido, outros fazem monólogos cativantes e até mesmo mantêm conversas complexas.

Apesar de não sabermos exatamente por que falamos durante o sono, especialistas afirmam que, na maioria das vezes, essas “conversas” noturnas não devem ser motivo de preocupação. Dito isso, falar no sono também pode ser sinal de algum problema mais grave.

Conversar durante o sono pode ocorrer com qualquer pessoa e a qualquer hora. Entretanto, existem alguns gatilhos que podem desencadear e agravar o sonilóquio. Dentre eles estão o estresse, a ansiedade, a privação do sono, a depressão, o consumo de álcool, o uso de algum medicamento e até mesmo a febre.

Para amenizar os efeitos deste transtorno do sono, os especialistas dão algumas dicas básicas para tornar as noites mais agradáveis. Apesar de não ser uma doença, não existe um tratamento, mas alguns cuidados na rotina vão ajudar a amenizar esse problema.

Cuide da saúde mental

Buscar formas de diminuir o estresse e a ansiedade vão ajudar a melhorar a qualidade do sono e evitar o falatório durante a noite. Pode ser um momento de meditação ou de alguma atividade relaxante, como ler um livro. 

Cuide da alimentação

Evitar os excessos é uma dica valiosa e isso se aplica na hora das refeições. Antes de deitar a melhor opção é fugir de um jantar pesado e gorduroso e das bebidas alcoólicas. De acordo com especialistas do sono, ao contrário do que muitos pensam, a bebida alcoólica não relaxa. Após alguns goles, ela pode afrouxar as estruturas da região da faringe, comprometendo a respiração. Como resultado a pessoa pode roncar e falar durante a noite.

Cuide do ambiente de repouso

Dá luminosidade à temperatura do quarto, alguns cuidados favorecem o sono, melhoram a qualidade do repouso e ajudam a evitar o sonilóquio. A mente precisa entender que a cama foi feita para dormir, por esse motivo não use tablets, celulares e eletrônicos ao deitar. A luz dos aparelhos eletrônicos interfere na produção da melatonina, que é responsável por alertar nosso corpo que está na hora de dormir. Manter os quartos limpos e arejados vai proporcionar uma temperatura mais agradável para o repouso e tornar a noite de sono melhor.

Os especialistas recomendam ainda que a pessoa tente dormir ao menos oito horas por noite, utilizando travesseiros e colchões adequados para manter a disciplina postural. Esses são pequenos hábitos que vão ajudar a eliminar agravantes do sonilóquio. 

Quando reconhecer o problema? 

Isso é provavelmente o mais importante: a idade que você tem quando começa a falar durante o sono tem muito a ver com o que está acontecendo.

Se você fala dormindo a vida toda, não há com o que se preocupar. O fenômeno é muito comum entre crianças e adolescentes – cerca de 50% das crianças entre três e dez anos de idade falam enquanto dormem.

Além disso, as pessoas tendem a descobrir que falam dormindo quando passam dos 20 anos – que é a idade em que passam a dividir uma cama ou um quarto. Isso não significa necessariamente que elas tenham começado a falar só nessa época, mas sim que alguém finalmente se deu conta.

Mas, se você tem cerca de 50 anos ou mais e de repente começa a falar dormindo, pode se tratar de um sinal de doença, como mal de Parkinson ou demência. Nessa faixa etária, falar durante o sono poderia essencialmente indicar que há algo errado com o cérebro.

Falar durante o sono costuma ser confundido com outros distúrbios do sono

Falar enquanto dorme não é a mesma coisa que outros distúrbios do sono. Se você começar a gritar à noite ou a fazer aquilo que está sonhando, provavelmente trata-se de outro problema.

Algumas pessoas sofrem de terrores noturnos, que se manifestam como gritos lancinantes e muita movimentação na cama. Se você está gemendo durante o sono, podem sofrer de um transtorno relacionado à apneia do sono.

Onde buscar tratamento em Manaus:

A população conta agora com o ipok, um aplicativo inovador de Saúde, cujo objetivo é facilitar o dia a dia de usuários que precisam agendar uma consulta médica de forma prática, ágil e segura. Além, de avaliar o atendimento de um profissional de saúde, efetuar buscas por profissionais especializados é possível acompanhar notícias atualizadas da área de saúde. No app você pode agendar consultas com  neurologistas em Manaus, entre outras especialidades. 

Atenção: A informação descrita acima, serve apenas como apoio e não, substitui em hipótese alguma, a consulta médica com um profissional especializado. Para um diagnóstico preciso, procure uma avaliação médica de sua preferência ou no serviço público de saúde.

FONTE: Academia Brasileira de Neurologia, Associação Brasileira do Sono