7 dicas para usar o celular sem risco à saúde


Atualmente, o celular é quase um companheiro inseparável. Para muitos, o melhor amigo, um passatempo, um lazer e não para por aí. No entanto, o que muitos não sabem é que o uso excessivo do aparelho pode causar danos ao corpo humano. Apesar disso, ainda é muito difícil desapegar do aparelho. A Organização Mundial da Saúde (OMS), classificou o celular como “possivelmente cancerígeno”, mesma atribuição dada ao chumbo e ao clorofórmio.

Seis em cada dez brasileiros usam celulares smartphone, segundo resultados divulgados no estudo Google Consumer Barometer, organizado pela Google e Kantar TNS – empresas de referência internacional na área de tecnologia. Apesar de ser um dos principais meios de comunicação atualmente, o telefone celular merece alguns cuidados ao ser utilizado.

Segundo os ortopedistas o uso excessivo de smartphone pode causar dores nas costas, no pescoço e na mão, principalmente na região do dedo polegar. Já que as pessoas andam olhando para baixo, mexendo no celular. Além, de passar boa parte do dia digitando naquelas telas pequenas, o que sobrecarrega algumas musculaturas.

Pesquisas já apontaram que uma pessoa olha para o celular cerca de 150 vezes ao longo do dia. Um levantamento realizado pela empresa especializada em estatísticas Statista, revelou que os brasileiros são os campeões nesse quesito, passando quatro horas e 48 minutos em média por dia utilizando o aparelho. E esse valor mais do que dobrou em quatro anos.

Doenças causadas pelo uso do celular

A rizartrose, um tipo de artrose que atinge a articulação da base do polegar, é uma doença cuja frequência vem aumentando nos últimos anos por conta do uso excessivo do celular. De acordo com especialistas trata-se de um problema degenerativo mais comum nas mulheres acima dos 40 anos de idade, pois suspeita-se que os ligamentos femininos sejam biologicamente mais elásticos e frouxos, proporcionando uma maior instabilidade articular.

Outros problemas comuns ligados ao uso excessivo de smartphones referem-se à visão. Pesquisas indicam que a exposição prolongada às telas de LCD e LED parecem ser prejudiciais à saúde em longo prazo. A radiação de luz azul emitida por essas telas aumentaria as chances de degeneração da mácula, estrutura situada na região central da retina.

O que pode acontecer também nas pessoas que passam horas olhando para o celular é astenopia, um conjunto de sintomas de desconforto ocular associado ao esforço visual exagerado e à falta de lentes corretivas (óculos e lentes de contato). Isso pode causar sintomas como dores de cabeça e embaçamento visual, principalmente no final do dia.

Além disso, é comum nas pessoas que usam muito os smartphones a queixa de que os olhos ficam vermelhos, com “sensação de areia” e lacrimejamento. Segundo oftalmologistas isso está associado principalmente à evaporação da lágrima, geralmente devido a alterações da superfície do olho e à menor frequência com que piscamos durante o uso desses aparelhos.

Os problemas motores e visuais provocados pelo uso do aparelho celular em excesso podem afetar pessoas de todas as faixas etárias, mas são mais comuns na terceira idade, quando já há um desgaste natural do corpo por conta do envelhecimento.

Veja como evitar problemas motores e visuais associados ao uso de smartphones:

1. Tente usar menos seu aparelho

Pergunte-se: preciso mesmo mexer no celular agora? Controle o uso do celular e faça pausas a cada 10 minutos.

2. Prefira falar e não digitar

Movimentos repetitivos e excessivos dos dedos podem causar inflamação.

3. Não use o telefone enquanto dirige

Pesquisa norte-americana revela que o uso do celular ao volante aumenta o risco de acidentes em 400%.

4. Encontre uma posição confortável

O uso de celular não deve cansar as mãos e os dedos. Alongamentos ajudam a evitar lesões.

5. Ajuste a qualidade de visualização

Tamanho da letra e brilho da tela devem ser confortáveis para a leitura.

6. Evite leituras prolongadas

Se ultrapassar de 2 horas, feche os olhos por alguns segundos e olhe para o horizonte.

7. Fique atento aos sinais

Dores na região do pulso e polegar, vista cansada e olhos vermelhos devem ser relatados ao médico.

Cuidado redobrado com a criançada 

No caso dos pequenos o risco é ainda maior. Um trabalho realizado na Universidade de Toronto, no Canadá, revelou que a cada meia hora a mais que a criança fica vidrada na telinha aumenta em 49% o risco de atraso de fala. 

Além disso, eles podem apresentar prejuízos de aprendizagem, problemas cognitivos, além de aumento da impulsividade, irritabilidade e agressividade. O tema é tão sério que a Academia Americana de Pediatria lançou um documento com orientações sobre o assunto. De acordo com o documento, as crianças só deveriam entrar em contato com o mundo digital depois dos 18 meses com supervisão ativa dos pais. 

Entre 2 e 5 anos, o período máximo indicado é uma hora por dia. Depois disso, indica-se que o cuidado seja personalizado.

Onde buscar tratamento em Manaus:

A população conta agora com o ipok, um aplicativo inovador de Saúde, cujo objetivo é facilitar o dia a dia de usuários que precisam agendar uma consulta médica de forma prática, ágil e segura. Além, de avaliar o atendimento de um profissional de saúde, efetuar buscas por profissionais especializados é possível acompanhar notícias atualizadas da área de saúde. No app você pode agendar consultas com oftalmologistas e ortopedistas em Manaus, entre outras especialidades. 

Atenção: A informação descrita acima, serve apenas como apoio e não, substitui em hipótese alguma, a consulta médica com um profissional especializado. Para um diagnóstico preciso, procure uma avaliação médica de sua preferência ou no serviço público de saúde.

FONTE: Hospital Sírio-Libanês